A ignorância, cetro das trevas

A ignorância é o cetro das trevas. Com ela, o mundo é regido na opressão denominada falta de tempo, excesso de atividades, excesso de cobranças, falta de tempo para alimentar a mente, o espírito e o esquecimento do Criador, Deus/D’us.

A verdade liberta, porém misturada com mentiras ou com o politicamente correto torna-se em mentira, ignorância.

As economias (governos/oligopólios industriais que regem o mundo) moldaram a sociedade a um padrão de “liberdade”, onde, cada um sendo um deus em seu próprio habitat, extingui-se a necessidade do Divino, Deus/D’us,YAHWEH,Jesus/YESHUA. A divindade era necessária, historicamente, quando os governos e seus súditos eram cruéis, as classes eram separadas em ricas (minoria) e pobres (maioria) e, sobreviver por mais um dia (pobres) , uma dádiva, devido as doenças, opressões econômicas, soldados tiranos, violência ao estilo ferro e fogo, sumiços de pessoas, escravidão, abusos de poder, guerras para extermínio de raças/povos – considerados como escórias, amaldiçoados.

A ignorância têm sido prazerosa, uma coroa na cabeça de muitos: o errado torna-se em certo na pós modernidade ou verdade. Os que acreditam nos alicerces da verdade e justiça e prezam por ela, infelizmente, tornam-se em opressores, tiranos, arbitrários, impetuosos, impiedosos, contrários a nova democracia.

O Estado, que deveria ser laico, tem difundido a guerra entre as religiões e permitido a instalação de segmentos religiosos de conduta e ação militar ou de guerrilha, graças ao dinheiro e influência que esses grupos têm sobre o mundo segmentos econômicos. O cristianismo (Católicos/Protestentes-originários do Judaísmo) base de muitas nações, têm sido esquecida, tratada como escória e radicalista, contra a liberdade dos indivíduos e contra àquilo que denominam de nova fase da democracia, abraçadora das causas e dos direitos de qualquer um que acredita ter direitos – novos comitês políticos ou partidos, movimentos sociais formados, constituídos.

A ignorância têm destruído nações nos dias de hoje, os homens se tornaram apáticos, sem mobilidade e defesa, felizes por suas liberdades, estados de deuses em seus mundos. O cetro da ignorância impera, e a luz tem sido ofuscada ou apagada em muitos lugares.

Possíveis conclusões para este tema

  1. Os ignorantes irão defender a teoria da conspiração, distorção da realidade por pessoas que não têm o que fazer. Uma pergunta ao ignorante: quantos livros, artigos nacionais e internacionais, documentários, palestras e outros materiais foram pesquisados para que tenha esta conclusão, teoria da conspiração? Onde há fogo, há fumaça… há pesquisas, há fundamentos e estudos e estes são alicerces necessários para exposição de fatos – atividade de qualquer jornalista, investigador, pesquisador.
  2. Os que não desejam a ignorância irão pesquisar, refletir e observar o conteúdo apresentado, buscar por novas fontes a saber sua veracidade e demais desdobramentos possíveis desta realidade apresentada.
  3. Livros importantes publicados, porém, fora de circulação

 

As perspectivas futuras das organizações e o trabalho

Descrição: Tecnologias a serviço dos homens que detém o poder, como a inteligência artificial e robótica; crescente número de empresas enxutas, poucos humanos atuando nelas. O homem está à mercê da evolução (destrutiva), sem saber a quem recorrer ou como evitar o seu próprio fim.

Vivenciamos numa economia sincronizada a processos de trabalho sofisticados que é capaz, em curto espaço de tempo, de transformar este universo como dos filmes, desenhos animados ou livros de ficção científica. Sociedades industrializadas requerem organizações maiores por se tornarem complexas, requerem pessoas habilidosas capazes de manterem estas organizações ativas, em ciclos de aprimoramentos. São muitas as mudanças benéficas na sociedade que as organizações promovem, mas os resistentes a mudanças ou despercebidos ficarão de fora, com grandes dificuldades de se recolocarem no mercado de trabalho. Não há tempo para tosquenejar ou viver sem planejamento para os ciclos das transformações econômicas. A tecnologia evolui rapidamente, requerendo habilidades excepcionais para acompanhá-la.
Ao desenvolver o gráfico abaixo (imagem 1), Frank Diana (2016) expôs cenários futuros e várias intersecções e na imagem 2, os respectivos impactos, mudanças sociais e conflitos nos ambientes de trabalho. “No exemplo abaixo, vinculamos várias das mudanças sociais com um cenário futuro específico. Este Relató Citi descreve a redução contínua das taxas de fertilidade e as implicações do envelhecimento da população. Uma dessas implicações é a queda da população em idade ativa (15-64 anos). Assim, três das mudanças sociais estão ligadas (taxas de fertilidade, envelhecimento da população e queda da população em idade ativa). Ao mesmo tempo, o cenário futuro, denominado AUTOMAÇÃO DE TUDO (robótica avançada, automação do trabalho do conhecimento, etc.) está gerando uma crescente preocupação com as mudanças sociais relacionadas ao desemprego tecnológico. Num contexto de pensamento futuro, ligar estes pontos podem conduzir a duas perspectivas muito diferentes. A primeira visão é aquela que recebe toda a atenção; O nível antecipado de automação gerará um desemprego tecnológico significativo. O relatório Citi fornece alguns números muito sóbrios por país e até mesmo cidade. Mas uma visão muito diferente tem o cenário de automação resolver os problemas associados a um declínio na população em idade ativa.”

01emerging-future-asperspectivasdasorganizacoes[1]Imagem 1

Conforme relata Peter Joseph no documentário Zeitgeist Moving Forward 2011, um estudo do economista David Autor, do M.I.T. (Massachusetts Institute of Technology), constatou que a classe média é obsoleta e está sendo substituída pela automação .

02connecting-dots-asperspectivasdasorganizacoes[1]

Imagem 2* – Interligação de pontos e seus impactos. “como a dimensão social é afetada ou espremida pelas curvas, enquanto, ao mesmo tempo, a mudança social tem um efeito recíproco… É o volume e convergência final dessas mudanças que têm implicações enormes.”

03emerging-platform[1]

Imagem 3: Plataformas emergentes

Modelos de automação existentes

Motoristas: Sem causar espanto, já vivenciamos a automação de atividades como de motoristas. Chevrolet, Volvo, entre outras empresas já realizam testes.
13/03/2017 – Intel compra Mobileye por US$ 15,3 bi e promete avançar carros autônomos.
13/03/2017 – Brasil – aeronaves não tripuladas otimizam trabalho do Incra.
25/10/2016 – Caminhão autônomo viaja mais de 190km para entregar cerveja nos EUA.
28/05/2014 – Google apresenta carro sem volante nem pedais, que dirige sozinho.

Atendentes: Inteligência artificial, uma das tecnologias da IBM, Watson, já é realidade dentro do banco Bradesco na área de atendimento a clientes e produtos da instituição e numa seguradora no Japão.

Jurídico
03/01/2017 – ‘Advogado-robô’ reverte 160 mil multas de trânsito em NY e Londres
16/05/2016 – Escritório de advocacia dos EUA é o primeiro a contratar ‘robô advogado’

Startups: empresas enxutas, com foco em inovação e estratégia, hábil para derrubar paradigmas sociais e mercados estabelecidos por empresas tradicionais, antigas.

Conclusão

A sociedade aplaude com otimismo as inovações; para os racionais não há muito otimismo quando a visão está aberta e apta a perceber tudo o que possa vir adiante – harsh time, harsh life. Tecnologias a serviço dos homens que detém o poder, como a inteligência artificial e robótica; crescente número de empresas enxutas, poucos humanos atuando nelas. O homem está à mercê da evolução (destrutiva), sem saber a quem recorrer ou como evitar o seu próprio fim. Segundo artigo da consultoria Mckinsey de julho de 2016, Where machines could replace humans—and where they can’t (yet)- (Onde as máquinas podem substituir os humanos – e onde elas não podem (ainda)) revela como as corporações tem adotado a tecnologia a favor da maximização dos lucros; ver infográfico original ou traduzido. Nesta economia que muda rapidamente a face e os métodos de agir, estar ativo no mercado de trabalho exigirá dos profissionais conhecimentos diversos, habilidades e flexibilidades para suportar mudanças radicais; as estruturas físicas e emocionais/psicológicas necessitam estar aptas para não serem destruídas e ocorrer o descarte, invalidez. Na hipnose das telas (tablets, smartfones e televisores), das programações existentes nestes meios de comunicação e na perseguição do homem aos mecanismos de alívio de dores para sobreviverem ao estresse do trabalho e das políticas sociais corruptas e destrutivas existentes no meio em que vivem, em muitas destas sociedades, um cenário apocalíptico será inevitável. Para outras sociedades ou para os que estiverem em constante percepção do futuro e treinos de habilidades, o futuro poderá ser melhor, promissor para novos negócios e estilos de vida com qualidade. Não há probabilidades de contar com a sorte. INSTABILIDADE É O LEMA PARA TODOS.

Materiais complementares

Beyond Automation (Por trás da automação) – 06/2015
Matéria Mundo, Ficção Científica (Austrália). Revista Você S/A – Dezembro de 2016.
Artigo: A vida depois do capitalismo. Revista Veja, Editora Abril-Ed. 2521, 15 de março de 2017
Vblog Mauro Segura: 9 motivos para você repensar a sua profissão
Documentário: ZeitGeist 3 Final Moving Forward

Palavras chaves: inteligência artificial; automação atividades humanas; desemprego tecnológico; humanos 2.0.